Nas Ruas

Seg, 17/12/2018 às 09h35 | Atualizado em: 17/12/2018 às 09h36


Nas Ruas

Exemplo! Zé Teixeira, o agente do bem

Catarina Alcântara*
A+ A-
José Teixeira, do bairro da Palestina, tem 76 anos e uma linda história de vida - Catarina Alcântara/Ag. A Tarde
José Teixeira, do bairro da Palestina, tem 76 anos e uma linda história de vida
Catarina Alcântara/Ag. A Tarde

Em meio a uma sociedade enlouquecida com a violência, a desigualdade e a tristeza, existem pessoas que ainda resistem a tudo isso e tomam como missão levar sentimentos bons por onde passam.

Uma delas é José Teixeira. Quando o sol nasce no bairro Palestina, periferia da cidade, o idoso levanta cedo, prepara o café, toma um banho e arruma a pasta para não esquecer as mensagens. Com tudo organizado, vai até o centro da cidade para 'xerocar' os textos que escreve por um valor mais barato e parte no primeiro ônibus que encontra para levar informação, acalanto e amor pela capital baiana.

O aposentado de 76 anos faz quase todos os dias a alegria dos passageiros dos diversos transportes públicos que rodam pela cidade. Ele encara o ofício de colocar este projeto em prática como uma missão singular que, apesar da idade, não se torna impossível.

Natural da região de Paulo Afonso, José Teixeira, de fala mansa e agradável, ele leva mensagens de diferentes temas como felicidade, esperança, amor e até boletins de alerta para a população entender a situação política do país de maneira rápida e fácil.

"Minha missão de vida é fazer a diferença por onde passo. Os passageiros renovam as esperanças e deixam um pouco de lado a tristeza da realidade dura do nosso país", conta ele.

O idoso se denomina um "agente do bem" e se emociona ao revelar o motivo que o levou a iniciar essa corrente. "Fui alcoólatra por 30 anos. Fui internado, dormia na rua e caía pelos bares. Quando não estava bêbado, eu não dormia com visões. Só tive família depois que me libertei, vivia na solidão. Procurei a ajuda espiritual e me libertei. Hoje sou feliz e quero dividir essa felicidade com o mundo", relata.

*Sob a supervisão do jornalista Tiago Lemos