Esporte

Seg, 03/12/2018 às 09h08


Esporte

Brasileirão: Sport e Coelho são os últimos rebaixados

gabriel Conceição*
A+ A-
Hernane marcou para o Leão, mas triunfo sobre o Santos não foi o sufuciente - Williams Aguiar/Sport Club do Recife
Hernane marcou para o Leão, mas triunfo sobre o Santos não foi o sufuciente
Williams Aguiar/Sport Club do Recife

O América Mineiro teve pênalti, diversas chance na cara do gol, mas não foi competente o suficiente para vencer o Fluminense, no Maracanã, ontem , e terminou derrotado por 1 a 0. Com o resultado, o Coelho acabou sendo rebaixado para a Série B de 2019.

A tarde de ontem nunca será esquecida pelo atacante Luan, que ficará marcado no rebaixamento do Coelho. O atleta teve a chance de colocar o time à frente do placar, mas perdeu um pênalti ao parar no goleiro Júlio César. Ainda no primeiro tempo, teve outra chance cara a cara com o goleiro e não aproveitou.

Atual campeão da Segunda Divisão, o Coelho, que só dependia de si, terminou na 18ª posição na tabela, com 40 pontos, e disputará a Série B em 2019. Curiosamente, essa é a sexta vez que a história se repete com o América-MG, que mantém o tabu de nunca permanecer na elite após obter o acesso um ano antes.

Do outro lado, o Fluminense do interino Fábio Moreno voltou a vencer depois de oito jogos, fez 1 a 0, com gol de Richard, diante de 35 mil pessoas no Maracanã. Não só evitou o rebaixamento, como também garantiu, com o 12º lugar (45 pontos), uma vaga na Copa Sul-Americana de 2019.

Outro a cair foi o Sport. Mesmo fazendo o dever de casa ao vencer o Santos por 2 a 1, na Ilha do Retiro, o Leão foi rebaixado. Com 42 pontos, terminou o Brasileirão no 17º lugar.

O clube pernambucano dependia de tropeços do Vasco contra o Ceará, e da Chapecoense diante do São Paulo, mas as preces do Rubro-Negro não adiantaram (detalhes ao lado).

Os gols do jogo saíram no segundo tempo. O Sport abriu vantagem com Rogério, que marcou aos 36 minutos. Hernane ampliou para o Leão de Recife aos 46. O Peixe ainda descontou com a promessa Rodrygo, dois minutos depois.

* Sob a supervisão do jornalista Tiago Lemos