Viver Bem

Sex, 26/10/2018 | Atualizado em: 26/10/2018 às 05h01


Viver Bem

Evite os gatilhos

Nágila Santana
A+ A-

Apesar de apresentarem sintomas diferentes, a asma e a rinite possuem gatilhos em comum, que evoluem para as crises. São eles: ácaros, fungos, pólen, animais de estimação, fumaça de cigarro e poluição.

No caso da rinite, os gatilhos estressam o sistema respiratório como um todo e, consequentemente, causam reações alérgicas.

Nas pessoas com asma, o aparecimento de sintomas como falta de ar, dificuldade para respirar, sensação de aperto do peito, chiado e tosse indicam o aumento da inflamação dos brônquios.

"Tanto a asma quanto a rinite são doenças crônicas que não têm cura. Algumas características que podem ajudar a identificar se a pessoa está tendo uma crise de asma ou de rinite são chiado no peito e retrações intercostais, ou seja, a pele entre as costas repuxa durante a respiração", explica o pneumologista Clystenes Odyr.

"Embora possuam sintomas similares, a rinite desenvolve mais reações como espirros e coceira no sistema respiratório", conta o especialista.

Pelo fato de serem manifestações de uma mesma doença, a alergia respiratória, é comum o aparecimento de sintomas tanto da asma quanto da rinite de forma simultânea. Por isso, é preciso estar atento para saber diferenciar os problemas e se proteger. O melhor a se fazer é evitar o contato com os gatilhos.

Quem tem animais em casa deve ter cuidado com a pelagem, que provoca reações alérgicas e também contribui para o acúmulo de ácaros.

É preciso ter cuidado com a fumaça do cigarro, mesmo que o paciente com asma ou rinite não fume, e com a poluição do ar. O contato com a fumaça que sai do cigarro, bem como aquela dissipada pelo ar de grandes metrópoles, provoca crises e aumenta a gravidade e frequência delas.

"O tabagismo é extremamente desencorajado para pacientes que convivem com essas doenças por motivos claros, já que o hábito sobrecarrega ainda mais o sistema respiratório", conta doutor.

"No caso da poluição, evite as janelas abertas no trânsito intenso e procure frequentar locais mais arborizados sempre que possível", completa.

De acordo com o especialista, a hidratação do corpo precisa estar em dia. Para isso, é necessário praticar atividades físicas regularmente e, o mais importante, fazer o controle dessas complicações respiratórias com o auxílio de um especialista. Essas medidas são essenciais para manter a qualidade de vida.