Viver Bem

Qua, 24/10/2018 | Atualizado em: 24/10/2018 às 10h57


Viver Bem

Combata o desequilíbrio

Nágila Santana
A+ A-

"Por conta da falta de apetite sexual, meu relacionamento havia sido comprometido, e eu não sabia quais eram as causas. Além disso, sempre me sentia cansada, não dormia à noite e, algumas vezes, tinha mudanças drásticas no humor. Por um bom tempo, pensei que fosse TPM, só que o problema era mais sério", diz a estudante de letras Clarisse Costa, 28 anos.

Fadiga extrema, excessiva ansiedade, ganho de peso progressivo, perda de massa muscular, insônia, mudanças de humor, baixa libido e perda de cabelo repentina podem ser sintomas de algum tipo de desequilíbrio hormonal. "Como não tinha conhecimento, procurei ajuda de um médico para saber o que estava acontecendo e dei início ao tratamento", pontua Clarisse.

Ao notar um ou mais desses sintomas, é importante buscar ajuda médica. "O médico vai investigar as causas e, depois, realizará o tratamento", recomenda o ginecologista Jorge Valente.

Os hormônios têm função reguladora no organismo humano e são fundamentais para o seu bom funcionamento, pois atuam no crescimento e regulam os níveis de açúcar no sangue, além de fornecer energia e regular o ciclo menstrual, o metabolismo e o ritmo cardíaco.

A falta ou o excesso deles pode afetar a saúde física e emocional do indivíduo, ocasionando alguns problemas.

"Quando se tem uma alimentação inflamatória e não se pratica exercícios físicos, ocorrem alguns distúrbios no organismo que levam principalmente à obesidade", ressalta o especialista.

Essas alterações hormonais nas mulheres não ocorrem apenas nos ciclos menstruais, na gravidez ou na menopausa, elas são naturais e podem acontecer por toda a vida. "O grande problema é quando essas alterações se transformam em um desequilíbrio, ocasionando a deficiência de estrogênio e testosterona, que levam, em alguns casos, a osteoporose, irritabilidade, secura vaginal, perda de brilho na pele e depressão. Quando em excesso, provoca aumento de peso, surgimento de miomas e é fator de risco para o câncer de endométrio e de mama", diz.

No caso dos homens, "a deficiência de testosterona [principal hormônio avaliado no homem] pode causar perda da libido, aumento da circunferência abdominal, afetar o sono, entre outros. Esse hormônio é importante, pois reduz o risco de doenças cardiovasculares e é um anti-hipertensivo natural, além de controlar a regulação do açúcar", ressalta o médico.

Uma boa alimentação, aliada à prática regular de exercícios físicos, são maneiras simples, mas eficazes, de combater o desequilíbrio. "São as melhores formas de prevenção dos desajustes hormonais", finaliza.