Viver Bem

Qua, 17/10/2018 | Atualizado em: 17/10/2018 às 11h57


Viver Bem

Não abuse, não!

Das agências
A+ A-

Um tipo de cefaleia desconhecida pela população, mas cada vez mais frequente nos consultórios médicos, é a dor de cabeça provocada por uso excessivo de analgésicos. O caso foi apresentado nesta semana no Congresso Brasileiro e Panamericano de Neurologia, na capital paulista. Segundo Márcio Nattan Portes Souza, neurologista do Hospital das Clínicas de São Paulo, o paciente que sofre constantemente com dores de cabeça e passa a abusar da medicação pode desenvolver ainda mais cefaleia. "A gente observa que o paciente sabe disso, que começa a diminuir o efeito do analgésico. Então, antes [a dor de cabeça] melhorava completamente, agora não melhora tanto. Antes, ele [o paciente] ficava três dias sem dor depois que tomava um analgésico, agora ele fica meio dia e a dor volta", disse o médico.

O especialista lembra que, por ser um desconforto comum entre a população, poucas pessoas procuram ajuda médica, o que só piora o problema. "A Sociedade Brasileira de Neurologia recomenda que em casos de mais de três dias com dor de cabeça por mês ou de mais de três meses de dores de cabeça frequentes, é preciso procurar a ajuda de um neurologista", conclui. Além da conscientização do paciente para eliminar os abusos, existe o tratamento contínuo que evita o surgimento das dores. "Quando você está fazendo o tratamento profilático, você toma uma medicação todos os dias. Em quatro semanas começa a diminuir a frequência da dor. Sem esse tratamento, principalmente para quem tem dor em frequência, não há como melhorar", pontua.