Viver Bem

Sáb, 13/10/2018 | Atualizado em: 13/10/2018 às 08h41


Viver Bem

Faça amor com segurança

Nágila Santana
A+ A-

redacao@jornalmassa.com

Fazer sexo é bom, mas tem que ser feito com segurança para evitar sérios problemas à saúde do indivíduo. Muitas pessoas, especialmente aquelas que estão inciando a vida sexual, praticam o ato sem o mínimo de proteção, podendo acarretar vários problemas no futuro, como explica a sexóloga Alyne Meirelles. "O uso da camisinha previne as infecções sexualmente transmissíveis, (IST's), que antes eram conhecidas como DST's, como, por exemplo, o HIV, clamídia, gonorreia, cancro mole, herpes, hepatites virais, dentre outras. O preservativo também é um método contraceptivo para prevenção de uma gravidez indesejada", pontua.

Para algumas pessoas, o sexo oral é um dos primeiros passos da relação sexual, antecedendo muitas vezes o sexo com penetração. Ele é sinônimo de preliminares e, para muitos, deve ser realizado apenas quando o casal já adquiriu bastante intimidade. Seja como for, esse momento de prazer requer proteção.

"O sexo oral também pode ser via de transmissão de doenças e infecções, portanto, deve ser feito sempre com camisinha, tanto no homem, quanto na mulher", ressalta.

Cuidar da higiene íntima, também é muito importante para ter segurança no ato sexual, sendo assim, tomar banho após a atividade sexual é essencial para manter a saúde genital em dia. Além disso, visitas de rotina ao médico pode descartar possíveis doenças, ou até auxiliar no combate.

"O grande perigo está nas pessoas que não sabem a sua real condição de saúde e podem propagar infecções mesmo sem intenção. Fazer checapes de rotina e se prevenir corretamente é sinal de amor-próprio e ao próximo", explica a sexóloga.

A camisinha é entregue gratuitamente em qualquer Unidade de Saúde do Sistema Único de Saúde (SUS). E para garantir a segurança, é importante que o preservativo em questão seja de qualidade e que não tenha ultrapassado o prazo de validade.