Nas Ruas

Seg, 08/10/2018 | Atualizado em: 08/10/2018 às 07h05


Nas Ruas

Boca de urna Santinhos seguem fortes no pleito

Amanda Souza*
A+ A-

amanda.souza@grupoaatarde.com.br

Apesar de ser crime eleitoral, muitas pessoas fizeram boca de urna, ontem. Aconteceu nas proximidades do Colégio Estadual Helena Matheus, em São Cristóvão. Um homem de 42 anos distribuiu panfletos aos eleitores. "Nunca vi ninguém ser preso por isso. Acho importante ajudar um candidato que fez muito pelo bairro, não tem nada demais", disse.

Segundo ele, não houve pagamento ou benefícios: "A gente faz por gratidão. Quem vem pra cá sem saber em quem votar, eu desejo um bom dia, entrego o panfleto e apresento o candidato".

Há eleitores que, de fato, aceitam o "conselho". Luíza Santos, 54, entrou para a estatística. "Eu não tinha voto para deputado. Deixei para escolher aqui, com um santinho", admitiu.

Em outros locais da capital, como nos arredores dos colégios Estadual da Bahia, ICEIA, Duque de Caxias e Rotary, além da Universidade Estadual da Bahia (Uneb), a quantidade de pessoas fazendo boca de urna foi grande. Faltou fiscalização.

Os crimes em dia de eleição podem resultar em detenção de até um ano, além de multa de R$ 5.320,50 a R$ 15.961,50.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA) informou que 40 pessoas foram conduzidas para delegacias no interior, por desrespeito a  alguma lei eleitoral, como a boca de urna.

*Sob a supervisão do jornalista Tiago Lemos