Viver Bem

Seg, 24/09/2018 | Atualizado em: 24/09/2018 às 05h01


Viver Bem

Coração na batida certa

Nágila Santana
A+ A-

O distúrbio do ritmo do coração, denominado fibrilação atrial, é a causa mais frequente de arritmia, onde ocorre uma desorganização da atividade elétrica e gera dois grandes problemas.

"O primeiro está relacionado ao aparecimento de sintomas relacionado ao batimento acelerado. Ppalpitação, tontura, dor no peito, e, em alguns pacientes, ocorre o desmaio", informa a cardiologista e diretora do Instituto de Ensino e Pesquisa (IEP) do Hospital da Bahia, Marianna Andrade.

"O segundo é o aumento do risco do paciente ter um acidente vascular cerebral (AVC), devido à desorganização da atividade elétrica. Uma parte do coração fica sem uma contração eficiente e começa a formar uma estase do sangue, deixando-o parado. Formando os coágulos", diz a médica.

Algumas pessoas que sofrem com a doença não têm sintomas e não sabem de sua condição até que seja descoberto durante um exame físico ou a realização de eletrocardiograma. Por isso, ao sentir qualquer sintoma, procurar um profissional de saúde é a melhor solução.

"O paciente portador de fibrilação atrial pode ser tratado com medicações orais anticoagulantes, que impedirão a formação dos coágulos no coração", diz.

Entretanto, não são todas as pessoas que podem receber esse tipo de medicação, podendo apresentar reações, ocasionando o aumentando dos coágulos.

A fibrilação atrial tem progredido no Brasil em função do envelhecimento da população. Ou seja, quanto maior a população de idosos, maior será a frequência da manifestação da doença.

Ao ser diagnosticado com o distúrbio do ritmo do coração, o paciente pode ter que fazer mudanças no estilo de vida, a fim de melhorar a saúde geral do seu coração, especialmente para prevenir ou tratar doenças.

Os principais fatores de risco para o desencadeamento da arritmia são: idade, doença cardíaca, hipertensão, consumo de álcool, obesidade e condições crônicas.

Falar sobre esta enfermidade, segundo a médica Marianna Andrade, é importante, pois são vários os casos de pessoas que sofrem algum tipo de arritmia cardíaca. A prevenção e o tratamento são fatores essenciais para o combate.