Esporte

Seg, 09/07/2018 | Atualizado em: 09/07/2018 às 05h00


Esporte

Tricolores ainda reclamam muito

A+ A-

No dia seguinte à perda do título da Copa do Nordeste, para o Sampaio Corrêa, em plena a Arena Fonte Nova, o MASSA! foi até a Praça Dois de Julho, ontem, onde fica localizada a estátua do caboclo, no Campo Grande, ouvir os lamentos e as reclamações dos torcedores.

O ajudante de pedreiro, Everton Ferreira, 25 anos, acredita que faltou ao Bahia um camisa 9. "Estou chateado demais com esse time do Bahia. A torcida faz uma festa bonita daquela, com 45 mil, para perder o título para o Sampaio Corrêa. Se tivéssemos um camisa 9 matador, esse jogo teria sido outro", afirmou o pedreiro.

Após a derrota para um clube da Série B, o pedreiro deixou de acreditar no Tricolor para as próximas competições. "Se o Bahia não consegue ganhar o título para um equipe de Série B, sem expressão no futebol nacional, como é que eu vou acreditar que ele consiga vencer a Sul-Americana ou o Campeonato Brasileiro?", confessou.

O estudante Wendel Nascimento Viana, 15, acredita que o Bahia não conquistou o título por um erro na escalação. "O treinador errou ao tirar Régis e Élber para colocar Brumado e Allione. Era para ele entrar com Brumado desde o início, mantendo a qualidade de finalização do Élber e a armação de jogo do Régis", explicou.

Wendel acredita que a mudança no comando da equipe foi determinante para o baixo rendimento do Bahia nos dois jogos da final: "Guto que deveria estar conduzindo o Bahia na final. Ele já conhecia o time, e foi ele o responsável por colocar o Bahia nessa final", lamentou Wendel Nascimento.

Questionado sobre o elenco tricolor, o estudante afirmou que a fragilidade do time está nas laterais e que, se não houver a contratação de reforços, o Bahia vai sofrer no restante da temporada.

"Os laterais do Bahia são fracos. Na final ficou claro. Nino não pôde jogar e o treinador colocou Flávio, que foi um dos piores da partida. Léo Pelé é um atleta de um jogo bom e dois ruins", explicou o estudante.

Questionado se estaria ali para chorar no pé do caboclo, Everton brincou: "Venho sempre para curtir com a família. Agora, os torcedores do Vitória viram e mexem aparecem aqui para chorar, como foi após o Bahia ser campeão baiano".