Plantão

Sáb, 30/06/2018 | Atualizado em: 30/06/2018 às 05h17


Plantão

Advogados entram na mira de facções

A+ A-

redacao@jornalmassa.com

De R$ 3 mil a R$ 10 mil. Esses são alguns dos valores que estariam sendo oferecidos pelas facções Primeiro Comando da Capital (PCC) e Bonde do Maluco (BDM) para quem topar dar cabo da vida de advogados criminalistas.

O alerta foi espalhado por uma mensagem do WhatsAap, que a polícia classificou como "fake news". Na mensagem, os supostos bandidos dão a entender que a morte da advogada Sílvia da Silva Carvalho, 56 anos, foi o "primeiro de vários que iriam acontecer no Estado da Bahia".

O motivo das mortes seria o "hábito de pegar dinheiro dos seus clientes pelos processos e não fazerem nada". Na mensagem, o nome do advogado aparece ao lado de sua cidade e valor.

O advogado Cleber Nunes Andrade (que atuou na defesa da banda New Hit) aparece na lista como advogado de Salvador – do lado do seu nome, o valor por sua morte: R$ 10 mil.

"Durante a manhã, o pessoal do serviço de inteligência da polícia (Civil) me ligou para avisar sobre a notícia falsa com meu nome. Eu estou tranquilo. Quando você não tem problema com ninguém, não há por que se preocupar. Agora, quem assume compromisso financeiro com o réu e não cumpre, que pede dinheiro garantindo que o caso será resolvido e não consegue resolver, esses devem se preocupar. Eu nunca fiz isso", afirmou Andrade.

A mulher de um advogado de Feira de Santana, cujo nome consta na lista com o preço de R$ 5 mil, disse estar preocupada. "Vi a notícia pela TV, me assustei e corri para avisar ao meu marido que está viajando. Ele deu de ombros, disse para eu relaxar, que ele é amigo de todo mundo, de polícia a ladrão. Ontem tinha um rapaz aqui na porta da minha casa falando ao celular, mal vestido e olhando para cima, como se estivesse esperando alguém. Eu fico preocupada, o que aconteceu com Sílvia deixou todo mundo surpreso, se fosse eu sairia da área criminal", desabafou.