Ter, 12/06/2018 | Atualizado em: 12/06/2018 às 05h00

Quando o namoro é pra vida inteira!

Davi Fonseca*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

A paixão chegou cedo na vida de Maria de Lourdes, 68, e Milton Santana,78, moradores do bairro de Bom Juá. Ela tinha só 8 aninhos e ele, 18, quando firmaram um pacto: ele esperaria ela crescer para namorarem. "Minha tia era casada com o tio dele", conta Maria sobre como a vida os uniu.

A paquera, segundo ela, aumentou aos 10 anos, mas foi aos 13 que o 'namoro' foi oficializado. Aos 16, veio o pedido de casamento, e aos 18 se iniciava a vida de casal, que, em 8 de dezembro deste ano, completa 50 anos.

E o namoro continua! O segredo do sucesso? Amor e respeito. "Nunca houve traição. Ele foi o primeiro e será o último", garante Maria. "Se eu não te amasse, eu não estaria mais aqui", declara Milton à amada.

Menos comportados, Paulo Leal, 64, e Maria Luiza, 62, moradores do bairro do IAPI, se conheceram em Itabuna, quando tinham 12 e 14 anos, respectivamente. "Fui transferida de um colégio de freiras porque ia mal nos estudos. No primeiro dia de aula minha merenda foi paga por ele", lembra Luiza.

O início, cheio de atitudes rebeldes para a época - castigos na secretaria da escola, surra dos pais e passeios de lambreta - frutificou numa família com quatro filhos e seis netos. "O segredo é muito amor. Claro que existem altos e baixos, mas seguimos juntos", fazem coro os dois que, em 47 anos de casamento, não dispensam beijos e momentos agarradinhos na cama.

O psicólogo Joaquim Moura explica que o relacionamento amoroso saudável é fator de proteção para a saúde mental e para o desenvolvimento pessoal. "Na terceira idade, ter uma companhia é essencial para enfrentar as perdas inerentes dessa época e estimular a qualidade de vida. O sexo, a intimidade e o carinho ajudam o idoso a manter a autoestima e a saúde mental", diz.

Dr. Jonas Gordilho Souza, geriatra do Hospital Santa Izabel, concorda. Ele enfatiza que o sexo nessa faixa deveria ser olhado com mais naturalidade. "Ainda existe muito preconceito. Dados americanos apontam que 54% dos idosos mantêm vida sexual ativa. Destes, 46% estão na faixa entre 65 e 70 anos, 39% entre 71 e 75, e 25% entre 76 e 80", revela.

* Sob a supervisão da editora Ellen Alaver