Qui, 07/06/2018 | Atualizado em: 07/06/2018 às 05h00

Lava jato Com ouvidos bem atentos

das agências
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

A Polícia Federal pediu ontem a quebra do sigilo telefônico do presidente Michel Temer e dos ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco. O pedido foi feito após acordo de delação premiada com Cláudio Melo Filho, ex-executivo da Odebrecht junto ao MPF. Segundo ele, o presidente pediu, em 2014, R$ 10 milhões a Marcelo Odebrecht. Em depoimento, o pedido teria sido feito a Marcelo Odebrecht durante um jantar no Palácio do Jaburu, quando Temer ainda ocupava a vice-presidência. Eliseu Padilha também estava presente e acompanhou a solicitação de apoio financeiro para as campanhas do PMDB (atual MDB) em 2014.

A Procuradoria-Geral da República foi contra o pedido da PF para quebra de sigilo telefônico do presidente, mas favorável à Medida no caso dos ministros. Raquel Dodge considerou que não há nada sólido, até agora, para deferir a medida contra o presidente, que é investigado em outros inquéritos.