Qui, 31/05/2018 | Atualizado em: 31/05/2018 às 05h00

Cigarro, muito ou pouco, faz mal!

Davi Fonseca*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Segundo pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), 21% dos brasileiros ainda acreditam que fumar pouco não oferece risco de desenvolver câncer. "Houve uma redução na frequência e intensidade das campanhas de conscientização contra o tabagismo e seus malefícios", diz a oncologista Clarissa Mathias, diretora da entidade.

Hoje, quando se celebra o Dia Mundial Sem Tabaco, a SBOC lança um alerta sobre o comportamento de risco do brasileiro em relação ao cigarro, intimamente ligado ao aparecimento de tumores de pulmão, cavidade oral, laringe, esôfago, estômago, bexiga, colo do útero e leucemias.

De acordo com as entidades, o tabagismo é a principal causa de mortes evitáveis no mundo e responsável por cerca 30% dos óbitos de câncer. Apesar do alto índice de mortalidade, o atendimento público para diagnosticar a enfermidade é deficiente. "Existe um problema de acesso a exames que, sabidamente, reduzem o risco de morte", explica a especialista.

Resta tratamento pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para doenças pulmonares como bronquite e enfisema, doenças cardiológicas, doenças vasculares e principalmente para tratar o vício. "Existem programas multidisciplinares que oferecem tratamento gratuito para parar de fumar", informou Dra. Clarissa.

* Sob a supervisão da editora Ellen Alaver