Ter, 29/05/2018 às 15h38

Arrocha é com Unha Pintada

Da redação/Catarina Alcântara*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Promoção MASSA! pra você

Na próxima quarta-feira (30), o MASSA! chega até o leitor com um CD exclusivo do artista. Por   R$ 1 você leva o jornal feito do seu jeito para casa acompanhado de um álbum com grandes sucessos da carreira de Unha Pintada, como “Lábios cor de mel”, “Traição na academia” e “Desculpe, amor”, além de releituras de músicas que já estão na boca da galera. Garanta o seu! E fique atento, pois o artista pretende lançar, até o final do ano, um DVD  inovador, com sequência de clipes com temas e roteiros diferenciados.

Nascido na Bahia, o arrocha virou febre em todo o Brasil e ganhou mais um adepto: Unha Pintada, nome artítisco do sergipano Aldiran Santana de Oliveira. O artista chega ao público de Salvador trazendo sucessos autorais e regravações  com a distribuição, pelo MASSA!, de um CD de 17 faixas.

O nome é inusitado, assim como seu comportamento de pintar as unhas desde quando trabalhava na lavoura, no município de Simão Dias, em Sergipe, e por isso ganhou o apelido. “No início, em 2011, as pessoas diziam que era nome de loja de esmaltes, mas despertava curiosidade”, lembra.

O sucesso do artista de 32 anos se deve, em grande parte, ao fim do sonho do irmão Audênio, que teve de parar com sua própria carreira musical para trabalhar, mas incentivou Unha Pintada a seguir esse caminho. “Ele me deu apoio psicológico e financeiro para montar um grupo com teclado e voz”, conta. 

Seu primeiro show foi no povoado Brinquinho. Desde então, a banda vem se destacando pelo estilo próprio, carisma, muito romantismo e um extenso trabalho autoral. “Sou mais fã do meu trabalho como compositor do que como cantor”, admite. “Muitas músicas são relacionadas à minha esposa, ao romance de meus pais e relatos de amigos”, completa o artista, que também arrisca acordes no teclado e violão, mas não no palco. 

A dupla Zezé di Camargo e Luciano também são fonte de inspiração. “Sou pirado por eles. Abaixo de Jesus Cristo, são eles, mas Pablo, Tayrone e Silvanno também entram na lista”, revela.

O combustível para seguir compondo, no entanto, vem dos fãs. “Se não tiver resposta e troca de carinho, nosso trabalho vai por água abaixo”, finaliza.

*Sob supervisão da editora Ellen Alaver