Ter, 22/05/2018 | Atualizado em: 22/05/2018 às 05h00

Prisco entra na mira da justiça

Aina Soledad e redação
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

A decisão recente do STF de restringir o foro privilegiado apenas para crimes relacionados ao mandato passou a refletir nos políticos baianos. Desta vez, o deputado estadual Marcos Prisco (PSC) se tornou réu pelo suposto crime de falsidade ideológica cometido ainda quando o parlamentar presidia a Associação de Policiais Militares, Bombeiros e Familiares do Estado da Bahia (Aspra). Agora, Prisco será julgado por uma vara criminal de Salvador. O Ministério Público da Bahia apresentou a denúncia em janeiro de 2018. Porém, após negação do pedido de busca e apreensão no gabinete do deputado na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), o caso chegou às mãos do desembargador Júlio Travessa, que fez a determinação e moveu o processo do parlamentar para a 1ª instância, visto que as supostas irregularidades não foram praticadas durante exercício do mandato como deputado estadual.

Procurado, o deputado informou, através da assessoria de comunicação, que a denúncia sequer foi recebida pelo Judiciário baiano. O parlamentar salientou que não existe ação penal em tramitação contra ele.