Esporte

Seg, 14/05/2018 | Atualizado em: 14/05/2018 às 05h01


Esporte

A incompetência foi castigada

Felipe Paranhos
A+ A-

O Bahia pagou pela própria incompetência no empate de ontem, contra o São Paulo, na Arena Fonte Nova. Com 2 a 1 no placar, passou toda a segunda etapa na defesa, sem conseguir aproveitar os contra-ataques oferecidos pelo time paulista. No fim das contas, um belíssimo chute de Shaylon impediu o Esquadrão de conquistar três pontos. Sem eles, o time comandado por Guto Ferreira terminou a 5ª rodada do Brasileirão na zona de rebaixamento.

Apesar de ter sofrido no fim, a equipe não foi mal durante todo o jogo. No primeiro tempo, soube aproveitar as duas chances de Edigar Junio — que manteve a escrita de fazer gols quando sua mãe, Dona Eliete, vai ao estádio. Zé Rafael também fez boa partida, assim como Elton.

Nos primeiros dez minutos, só o São Paulo conseguiu chegar. Mas o Esquadrão precisou apenas de uma oportunidade: aos onze, Zé Rafael recebeu em velocidade pela esquerda, entrou na área e foi derrubado por Hudson. O pênalti claro foi convertido por Edigar Junio.

E por pouco o placar não foi ampliado em seguida: da intermediária, Edigar cruzou para Zé Rafael, que mandou, de primeira, na trave.

O jogo, então, abriu-se para as duas equipes. Porém, é quando os times afrouxam o setor defensivo que o jogador acima da média aparece: aos 30, Nenê, livre, fez lindo lançamento para Tréllez, que acertou um sem-pulo e igualou o placar.

Com o empate, o São Paulo precisou avançar mais e se desprotegeu defensivamente. Aos 38, Élber fez belo passe de cabeça para Edigar Junio, que, de primeira, marcou o segundo. Embora sem muita organização, o tricolor paulista aproveitou o recuo do Bahia e deu as cartas durante toda a segunda etapa. A primeira chance veio nos pés de Lucas Fernandes. O meia pegou rebote da zaga e bateu forte, rente à trave.

Sem qualquer criatividade, o São Paulo insistiu no jogo aéreo e passou a ceder contra-ataques ao Esquadrão. No entanto, em lances com Edigar Junio, Régis e Mena, o Tricolor esbarrou no último passe. Na chance mais clara do segundo tempo, Régis deixou Kayke na cara do gol, mas o centroavante, habituado a irritar a torcida, chutou em cima de Sidão. A incompetência do camisa 21 custou caro: nos acréscimos, Shaylon tentou, de muito longe, um chute improvável que deu certo. Bola no ângulo e empate novamente.