Sáb, 12/05/2018 | Atualizado em: 12/05/2018 às 05h00

Mãe é quem cuida. E cuida direitinho!

Victor Rosa*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Não é preciso parir para ser mãe. A mulher que cria e assume este papel mesmo sem ter gerado uma criança também merece ser homenageada neste Dia das Mães.

É com esta visão que o Lar Pérola de Cristo cuida de 73 crianças e jovens em situação de risco. Para isso, a instituição conta com nove cuidadoras sociais, que se desdobram nos cuidados da galera.

Rejane Cardoso, 48, é responsável pelo berçário e diz que o tratamento que elas dão as crianças é fundamental para o desenvolvimento delas. "Nós cuidamos, damos amor, mas também damos bronca. Porque foi assim que criei meus quatro filhos biológicos e quero vê-los da mesma forma quando sair daqui", afirma.

A maioria das crianças do lar não tem mãe biológica ou foi abandonada por elas. As cuidadoras assumem esta função e são recebidas sempre com muito carinho. Não à toa são chamadas de 'mãe' pelos pequenos. os adolescentes já adotam o 'tia', mas o amor é o mesmo. "Às vezes, quando damos bronca ou botamos de castigo, eles chegam a escrever cartinha pedindo desculpas e chamando a gente de 'mamãe'", conta Rosileia Marcela, 29, responsável pelos adolescentes do local.

O clima na instituição é tão agradável que, segundo Rosileia, é fácil esquecer que está ali trabalhando. "Sou tão apegada a eles que às vezes penso que estou em casa ou em um momento de lazer. Eu cuido delas, mas elas também cuidam de mim, sempre deixando meus dias mais felizes", comenta com orgulho.

Quando questionada sobre o que seria o papel de uma mamãe na vida dos meninos, a cuidadora Patrícia Ferreira, 32, falou sem pensar duas vezes que era dar amor e carinho. "Antes eu achava que não conseguiria oferecer algo a um filho que não fosse meu, nascidos de mim, mas hoje vejo que estava enganada. Não tem como olhar para todos estes jovens e não encher de amor", diz.

* Sob a supervisão da editora Ellen Alaver