Qua, 09/05/2018 | Atualizado em: 09/05/2018 às 05h00

Bando não perdoa quem saiu da linha

ANDREZZA MOURA
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Alan Alves Santos, o Alanzinho, 21 anos, morreu na madrugada de ontem no Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), no Cabula, após ser baleado diversas vezes, dentro de casa, na localidade Baixa da Rocinha, no bairro Mata Escura. Sob anonimato, um policial militar informou que ele foi executado pelos comparsas a mando de um homem identificado como Argentino, um dos líderes da facção Bonde do Ajeita (BDA), uma ramificação da facção Bonde do Maluco (BDM). Alanzinho era apontado pela polícia como um dos líderes do tráfico de drogas das localidades Rocinha e Larguinho, ambas na Mata Escura, e costumava agir com muita violência. "Argentino estava chateado porque Alanzinho estava descumprindo algumas ordens dele, matou duas pessoas sem sua permissão", contou o PM. Ainda conforme o policial, cerca de 30 homens participaram diretamente do crime. "Os caras chegaram em seis carros, cinco em cada um [carro]", disse ele.