Ter, 08/05/2018 | Atualizado em: 08/05/2018 às 05h00

Hora de rugir, Leão!

Amanda Souza*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

A torcida rubro-negra tá na bronca com o Vitória, e com razão. A derrota para o Fluminense no domingo, em casa, aumentou a preocupação com o desempenho do time na temporada. A equipe chega à quinta rodada do Brasileiro ainda em busca do primeiro triunfo na competição.

Esse cenário não é estranho à Toca do Leão. No ano passado, a equipe só conseguiu conquistar a sua primeira vitória no Brasileirão na sexta rodada, quando venceu o Atlético-MG no Barradão, por 2 a 0. Até lá, enfrentou Avaí, Corinthians, Coritiba, Fluminense e São Paulo e perdeu três dessas disputas.

O ano de 2017 não foi nada favorável para o Leão. Apesar de ter sido bi-campeão baiano de maneira invicta, foi eliminado pelo Bahia na semifinal da Copa do Nordeste e amargou a eliminação da Copa do Brasil para o Paraná ainda na quarta fase do torneio. Fora de todas as competições, restava voltar os olhos e as forças para o Brasileirão, mas não houve esforço suficiente.

Com a falta de um bom elenco, a conta chegou, e veio salgada: dificuldades para vencer os jogos na Série A, derrotas dentro de casa, estádio vazio e muitos processos da torcida.

O segundo turno parecia ser de mudanças, já que a equipe bateu o líder Corinthians, invicto por 34 rodadas, por 1 a 0, em Itaquera. Mas de nada adiantou. O Leão continuava com um péssimo desempenho e ainda carregava o título de pior mandante de toda a competição.

O fim tenebroso daquele campeonato foi uma vitória gloriosa contra a Ponte Preta e uma derrota para o Flamengo, em casa, que culminaria no rebaixamento não fosse pelo gol da Chapecoense contra o Coritiba.

Ao que tudo indica, diante das fraquíssimas e preocupantes atuações da equipe rubro-negra em 2018, os caminhos não serão muito diferentes do que foi no ano passado. O time pode igualar ou bater o recorde negativo do início do Brasileirão do ano passado.

Para evitar a repetição do erro, o Vitória vai precisar vencer o Vasco, na próxima rodada, e conseguir a primeira Vitória na quinta rodada da competição.

No entanto, essa não é a única preocupação. Há ainda duas outras competições muito importantes. Além do jogo contra o Corinthians pela Copa do Brasil na próxima quinta, o Leão ainda disputa a Copa do Nordeste. Contra o Sampaio Correia, no próximo dia 16, a disputa é por uma vaga na semifinal da competição. Vale o esforço.

Esses resultados revelam dois anos de desequilíbrio no time. Um elenco mal montado desde o início, más gestões, duas diretorias diferentes num curto espaço de tempo e uma completa confusão que passou das paredes do Barradão para o campo. Nada tem dado certo, os erros se repetem e o destino parece estar traçado para o que a torcida está acostumada a ver: a briga contra o rebaixamento.

A última - e melhor - boa campanha do Vitória pelo Brasileiro na era dos pontos corridos foi em 2013, quando o time encerrou o campeonato em quinto lugar. De lá pra cá, entre rebaixamentos e 'portarias', fazendo a guarda do Z-4, a equipe segue buscando o segredo para alcançar o sonhado sucesso, voltar aos trilhos das vitórias e às graças da torcida.

* Sob a supervisão do editor Rafael Tiago Nunes