Sáb, 21/04/2018 | Atualizado em: 21/04/2018 às 05h01

Quem procura acha?!

amanda souza*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

amanda.jesus@jonalmassa.com.br

"Eu descobri a senha do seu celular e machucou tudo que eu vi". Em tempos de aplicativos de relacionamento, o trecho da música de Henrique e Diego reflete uma realidade cada vez mais frquente.

Muitos defendem que dar aquela espiada no celular do parceiro é invasão de privacidade, outros garantem que não há nada demais. O fato é que, nessa brincadeira, muita gente procura coisas - e acha!

Roberta Sobral, psicóloga especializada em terapia de casal, explica que um dos maiores motivos de DR entre parceiros tem sido encontrar 'conversinhas' em redes sociais e aplicativos no celular do amado. "Algumas pessoas não estão preparadas para a monogamia ou sentem tesão em trocar nudes com pessoas fora do relacionamento, e isso nem sempre está acordado entre os dois", diz.

Os monogâmicos clássicos ficam enfurecidos! Por isso, a clareza no 'contrato' da relação é o primeiro passo para se chegar ao entendimento. "É preciso estabelecer os limites, as disposições dos dois", orienta a psicóloga.

Os conceitos de traição são muito individuais. Então, traçar esses perfis logo no início da união é a melhor maneira de evitar esses 'sustos'.

Apesar da vontade de saber o que o outro anda fazendo, é importante também respeitar o espaço e a privacidade do parceiro. Essa também é uma maneira de manter a relação cada vez mais saudável.

* Sob a supervisão da editora Ellen Alaver