Edição do dia
Sáb, 07/04/2018 | Atualizado em: 07/04/2018 às 05h00

Bandidão Trafica ajudou a matar policial

Euzeni Daltro
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Francisco Ferreira de Sousa, o Gordo, recebeu R$ 1 mil para escoltar o policial civil Luiz Alberto dos Santos até o local onde ele foi executado na BA-526, próximo ao Condomínio Campo Belo, no Jardim das Margaridas, em outubro de 2017. A informação foi dada por ele mesmo durante depoimento à delegada Danielle Monteiro, titular da 26ª DT (Vila de Abrantes).

"Ele assumiu que participou do crime e assumiu que recebeu R$ 1 mil para fazer a escolta do policial até o local onde ele foi assassinado. Mas não falou quem foram os mandantes", afirmou a titular da 26ª DT.

Francisco foi capturado durante a Operação Impacto, deflagrada por investigadores da 26ª DT na madrugada de quinta-feira (5).

"Há três meses, vínhamos investigando casas usadas como depósito de drogas pelo traficante Fábio Geleia, que é o chefe do tráfico em Catu de Abrantes. Francisco foi preso quando saía de uma dessas casas, em Vila de Abrantes", afirmou a delegada.

Segundo ela, Francisco é o gerente do tráfico da quadrilha de Geleia e havia ido fazer entrega de drogas no imóvel onde foi preso. Ele portava cinco tabletes de maconha no momento em que foi abordado pelos policiais.

No imóvel em Vila de Abrantes, e em outra casa, em Catu de Abrantes, os policiais apreenderam uma quantidade de cocaína, maconha e crack avaliada em, pelo menos, R$ 150 mil, além de munições de calibres 38, .40 e 9 mm.