Edição do dia
Qua, 04/04/2018 | Atualizado em: 04/04/2018 às 05h00

É hoje! STF julga habeas corpus de Lula

Sas Agências
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

A Esplanada dos Ministérios fica dividida em dois nesta quarta-feira, 4, na expectativa de que manifestantes favoráveis e contrários a Luiz Inácio Lula da Silva apareçam para acompanhar o julgamento do habeas corpus preventivo, apresentado pela defesa do ex-presidente ao Supremo Tribunal Federal. Na terça, 3, os dois lados já estavam separados por grades que contém um espaço entre elas, onde ficará o efetivo policial, com objetivo de evitar confrontos.

A exemplo do que foi feito na época do julgamento do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, os manifestantes, previstos em 20 mil no total, poderão ficar ao lado das fileiras de ministérios e chegar, no máximo, até a Alameda da Bandeiras, localizada em frente ao gramado que antecede o Congresso Nacional. Ou seja, não poderão chegar na Praça dos Três Poderes, em frente ao Supremo Tribunal Federal.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal, em cada lado serão permitidos até três carros de som devidamente cadastrados e manifestantes poderão ser revistados para garantir que não entrem itens como como fogos de artifício, sprays, bonecos infláveis grandes e produtos inflamáveis.

A procuradora-geral da República Raquel Dodge disse na terça,3, que a definição sobre o pedido da defesa de Lula se trata de um dos mais "notórios, expressivos e importantes julgamentos" do STF.

Para ela, o princípio da presunção de inocência é importante, mas há um exagero, no Brasil, na execução da sentença ser possível após todas instâncias judiciais confirmarem a condenação. "Este exagero aniquila o sistema de justiça, exatamente porque a justiça que tarda é uma justiça que falha", frisou.