Edição do dia
Sex, 30/03/2018 | Atualizado em: 30/03/2018 às 05h00

'Skalados' Mosqueteiros de Temer no xadrez

Marco Antônio Jr./A TARDE SP
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

A Polícia Federal (PF) deflagrou ontem, em São Paulo, a operação Skala, que resultou na prisão de dois amigos do presidente Michel Temer: o advogado José Yunes, que foi assessor especial da Presidência da República, e João Baptista Lima Filho, coronel reformado da Polícia Militar (PM); além do ex-ministro da Agricultura Wagner Rossi e do empresário da Rodrimar, Antônio Grecco. A investigação é referente à suspeita de benefício de empresas portuárias em troca de propina após a delação de Joesley Batista, da JBS.

A procuradora Geral da República, Raquel Dodge, pediu o cumprimento de mandados de prisão temporária e busca e apreensão no Inquérito dos Portos ao Supremo Tribunal Federal (STF), informou o Ministério Público Federal (MPF).

Os mandatos são de prisão temporária, apenas por cinco dias, e foram determinados pelo ministro Luis Roberto Barroso, relator do inquérito no STF. Os demais detalhes são tratados em sigilo.