Seg, 05/03/2018 | Atualizado em: 05/03/2018 às 05h00

Reforma São Joaquim pede ajuda

Henrique Almeida*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

redacao@jornamz

Quem transita pela Feira de São Joaquim, em Salvador, facilmente percebe duas feiras diferentes no mesmo local. E elas não estão separadas por muros ou sinalizações. Estão ali, lado a lado, a um passo de distância.

Na manhã de ontem, a equipe de reportagem de A Tarde esteve no local. De um lado, na chamada feira antiga, o quadro é de preocupação e pessimismo. Do outro, o lado que foi revitalizado pela Companhia de Desenvolvimento Urbano da Bahia (Conder), alívio e esperança.

Há 30 anos o comerciante Luiz Mário, 68, trabalha na feira. Para ele, após a reforma que foi realizada apenas em uma parte da feira, gerou-se um desequilíbrio no fluxo de pessoas, pois, agora, a maioria delas frequenta mais o lado que foi revitalizado. Na barraca, Luiz vende cigarro, mel, charuto, fumo-de-corda, entre outros.

"As vendas caíram bastante. Aqui, só consigo tirar o dinheiro do pão. Além disso, hoje, há vários mercados nos bairros e em outros pontos da cidade. Muitas pessoas deixaram de vir para a feira de São Joaquim", lamenta Mário.

* Sob a supervisão do Jornalista Luiz Lasserre