Ter, 27/02/2018 | Atualizado em: 27/02/2018 às 05h00

Cólicas podem ser péssimo sinal

AMANDA SOUZA*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Nem tudo é o que parece. A adenomiose, por exemplo, é semelhante a uma doença de nome e consequências semelhantes, a endometriose. Mas, apesar das coincidências, são problemas diferentes.

A adenomiose, como explica o ginecologista Edvaldo Cavalcante, "se caracteriza pela invasão de células do endométrio no miométrio", que é a camada muscular do útero e participa das contrações uterinas no momento do parto.

A doença ocorre quando o endométrio, o tecido que reveste o útero, invade essa musculatura. Quando isso acontece, causa também uma hipertrofia, aumentando o volume do órgão. Por isso, quando uma mulher sente cólicas, elas podem sinalizar bem mais que a chegada da menstruação.

O ginecologista ainda explica que "a mulher que sofre de adenomiose costuma ser afetada por fortes cólicas mentruais, dores pélvicas crônicas, dores durante o sexo e sangramentos".

O diagnóstico e o tratamento serão feitos por médico após exame físico e outros. Para quem não deseja engravidar, a retirada do útero ainda é a melhor forma de tratara doença.

* Sob a supervisão do editor-interino Tiago Lemos