Seg, 26/02/2018 | Atualizado em: 26/02/2018 às 05h00

Solução que não causa dor

amanda souza*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Você já deve ter conhecido alguém com 'orelhas de abano', aquelas que são mais afastadas da parte lateral da cabeça. As pessoas costumam ter sérios problemas com autoestima e socialização por vergonha dessa característica. Por isso, é importante corrigir o quanto antes, até em recém-nascidos.

Apesar de atingir uma porcentagem baixa da população, entre 2% e 5%, essa característica pode interferir de forma bastante negativa na vida das pessoas que a possuem.

O cirurgião plástico Maurício Orel diz que, em bebês, é possível fazer essa correção sem usar nenhum procedimento cirúrgico. O médico explica que, como as orelhas dos nenéns ainda não estão completamente formadas, é possível corrigi-las através de um molde de silicone. "O uso da prótese dispensa a cirurgia e proporciona um resultado rápido e eficaz", garante.

Para reconhecer se a criança tem 'orelhas de abano', basta usar uma régua para medir a distância entre o crânio e a orelha. As medidas mais comuns em recém-nascidos é de até 7mm. Acima disso, pode ser considerada 'de abano'.

O cirurgião ressalta que o diagnóstico precoce é muito importante e pode evitar, no futuro, a necessidade da realização de uma otoplastia, procedimento cirúrgico responsável pela correção e que pode ser realizado a partir dos seis anos.

* Sob a supervisão do editor-interino Tiago Lemos