Ter, 20/02/2018 | Atualizado em: 20/02/2018 às 05h16

Se toque! Nada de câncer!

Amanda souza*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

O câncer de mama é um dos tipos da doença que mais acomete mulheres no Brasil e no mundo. Trata-se de um tumor maligno gerado por mutações em células locais que sofreram anomalias e se desenvolve nos seios.

Inicialmente, o câncer de mama não provoca sintomas, por isso é importante realizar o exame da mamografia periodicamente para que, em caso de tumor malígno, o tratamento seja iniciado o quanto antes.

A mamografia é uma das formas mais fáceis de se descobrir um tumor maligno no início da doença.

Para Antônio Frasson, presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia, "a mamografia se consolidou há muito tempo como o melhor exame para detecção precoce do câncer de mama, que, se diagnosticado ainda em estágio inicial, tem até 75% de chances de cura", explicou.

Mesmo com a eficácia do exame, a Sociedade Brasileira de Mastologia questiona a forma como o diagnóstico é divulgado às pacientes, por meio de um CD.

Frasson explica que a visualização desse CD deve ser feita em alta resolução e que o entendimento do diagnóstico pode ser prejudicado se não houver um equipamento adequado.

O exame clínico deve ser realizado no mínimo uma vez por ano pelas mulheres a partir dos 40 anos. No entanto, também é possível fazer um autoexame de mama para detectar possíveis nódulos (veja ao lado).

* Sob a supervisão do editor-interino Tiago Lemos