Ter, 20/02/2018 | Atualizado em: 20/02/2018 às 05h16

Protesto Sindicalistas contra a Reforma

Felipe Santana* e Franco Adailton
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Representantes de centrais sindicais e movimentos sociais protestaram ontem na Bahia contra a reforma da Previdência.

As manifestações ocorreram em diferentes horários e locais do Estado: na capital, um grupo se concentrou na região do Shopping da Bahia, provocando congestionamento cujos reflexos alcançaram as avenidas Paralela (sentido centro), Luís Eduardo Magalhães, Bonocô, ACM e Barros Reis. À tarde, militantes se reuniram no Campo da Pólvora, no bairro de Nazaré.

Condutores que trafegaram pela BA-093, assim como na BA-535, mais conhecida como Via Parafuso, também precisaram ter paciência. Em Lauro de Freitas, um ato convocado por trabalhadores em educação deixou o trânsito travado na BA-099.

Segundo Pascoal Carneiro, presidente da Central dos Trabalhadores do Brasil na Bahia (CTB-BA), as mobilizações buscam a união. "São necessários atos para esclarecer a população. Abrimos os microfones para que todos falassem o que pensam sobre a reforma", disse.

Na avaliação de Cedro Silva, presidente da Central Única dos Trabalhadores da Bahia (CUT-BA), a população entende que a reforma não deve ser aprovada. "Queremos discutir com todos cidadãos e, para isso, realizamos atos em toda a Bahia, com a participação de várias categorias de trabalhadores", explicou. De acordo com a CUT, servidores públicos, bancários e comerciários estão entre as categorias que engrossaram o movimento.

*Sob a supervisãoda editora Meire Oliveira