Seg, 19/02/2018 | Atualizado em: 19/02/2018 às 05h00

A tão sonhada inteligência

AMANDA SOUZA*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Fazer cálculos, lembrar a data em que descobriram a América ou saber identificar facilmente à qual espécie pertence tal planta é importante, mas talvez não represente a melhor das inteligências.

O que torna as pessoas fortes, determinadas e persistentes é a capacidade que elas têm de gerenciar as emoções e controlar os sentimentos. E esse é o desejo de muitos, alcançar a tão sonhada 'inteligência emocional', a capacidade de manipular as próprias emoções.

A maneira como agimos diante de situações extremamente emocionais reflete em diversos aspectos na nossa vida.

Tire como exemplo um casal afetado por ciúmes. Se um deles não consegue controlar as reações por causa daquele sentimento, o relacionamento pode se tornar conflituoso. É em um momen to como esses que é importante ser inteligente emocionalmente e poder gerenciar as emoções.

Para a psicóloga Laís Souza, ter inteligência emocional é algo extremamente positivo, já que "o indivíduo consegue se comunicar de forma mais eficaz, pois tem a capacidade de avaliar melhor suas atitudes e pensamentos, evitando causar maiores conflitos".

No entanto, é importante não confundir inteligência emocional com passividade. Deixar de se posicionar para evitar conflitos não o torna inteligente. Essa inteligência está na maneira como você lida com o próprio posicionamento, administrando bem as emoções, pensando sobre as atitudes e trazendo as situações para a esfera racional.

* Sob a supervisão do editor-interino Tiago Lemos