Qui, 15/02/2018 | Atualizado em: 15/02/2018 às 05h00

As baleias da folia se despedem do 'Carnapuã'

Francisco Artur*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

A figura da baleia possui um sentido cultural forte para os moradores de Itapuã. Comum no início do século passado, a caça ao mamífero para fins comerciais, faz parte da história do local. Mas, atualmente, a preservação das baleias caracteriza o pensamento de quem vive na região. Dentro deste cenário, desfilaram ontem os grupos da baleia Jubarte e a marcha da baleia Rosa.

Embora cada tribo possua particularidades, a defesa da preservação dos mamíferos à biodiversidade é pauta comum aos dois. Ao fim de ambos os desfiles, as baleias são jogadas no mar para que, no dia seguinte sejam resgatadas.

Centenas de pessoas desceram a ladeira do Abaeté para acompanhar o desfile da Baleia Rosa e o trio elétrico com a apresentação da banda Malê Debalê. "É a baleia Rosa do amor que há mais de 30 anos faz parte da cultura do povo de Itapuã", contou o responsável pelo cortejo, filho do criador dessa baleia inflável, Cristiano Loureiro.

Já o bloco da baleia Jubarte fez seu cortejo até a Sereia de Itapuã e homenageou o humorista Juca Chaves com o título de "itapuãzeiro".

*Sob a supervisãoda editora Meire Oliveira