Sáb, 03/02/2018 | Atualizado em: 03/02/2018 às 05h01

Iemanjá Festa azul e branca no Rio Vermelho

Henrique Almeida*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

As águas do mar do Rio Vermelho carregam sonhos e esperanças, mas, principalmente, gratidão. Ontem, milhares de pessoas se vestiram com diferentes tons de azul e, quem pelo alto olhava, nada via além de mar. A cor tomou conta da faixa de areia da praia e a estrela do mar, presente principal oferecido à Iemanjá este ano, foi conduzida por cerca de 300 embarcações da Colônia de Pesadores Z1.

Rosas vermelhas, amarelas e brancas foram oferecidas à Rainha do Mar, dentre outros presentes. "Para Iemanjá tudo tem que ser dado com muito carinho. Só temos a agradecer, no Rio Vermelho não falta peixe. Hoje, na colônia temos cerca de 2.500 pescadores. Ela nos protege ", diz o presidente da Colônia de Pescadores Z1, Marcos Antônio, conhecido como Branco.

Mãe Jacira de Obaluaê, líder espiritual do Terreiro Ilê Axé Jibayê, destaca que o presente deste ano representa união. "É um momento de agradecimento. A fé não se renova, ela é duradoura", afirma Mãe Jacira.

Para entregar flores e presentes, os devotos tiveram que enfrentar uma enorme fila, mas lá, no caramanchão (estrutura onde fica o presente principal para Iemanjá), a fé ressoa.

Alguns se banham com alfazema, outros só querem agradecer e fazer pedidos. "A alfazema representa a aproximação entre o orixá e o indivíduo. Esse é um momento de muita fé", ressalta o religioso do candomblé, Jayme Dias.

A nutricionista Daiana Gomes, 29, explica que mais do que realizar pedidos, a festa é um momento de agradecimento. "Por todos os bens que consegui e por toda a proteção que ela tem dado".

Com Iemanjá, não existem pedidos mais ou menos nobres, mas para o pescador Robson Roque o único desejo é que ela guarde a alma do irmão, que morreu no ano passado na prática do pescado.

"Infelizmente, ele morreu no mar. Mas tudo tem um propósito, continuo com muita fé em Iemanjá e espero que ela cuide bem da alma do meu irmão", diz emocionado.

Sob a supervisão da editora Meire Oliveira