Edição do dia
Qui, 01/02/2018 | Atualizado em: 01/02/2018 às 05h00

Camisa 9 do Bahia segue sem dono

Daniel Dórea
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

A camisa 9 tricolor continua guardadinha no armário, enquanto outros tentam brilhar como artilheiros mesmo sem ter o direito de carregar nas costas o tradicional número dos goleadores.

Em 2018, quatro jogadores já tiveram a tarefa de comandar o ataque do Bahia. E foi só na última terça-feira que um deles foi às redes pela primeira vez. Edigar Junio (3 jogos, todos como titular), Hernane (2 jogos, 1 como titular) e Júnior Brumado (2 jogos, sempre entrando no segundo tempo) tentaram, mas o autor do feito foi Kayke.

Diante do Altos, no Piauí, o centroavante contratado junto ao Santos – que havia estreado no sábado passado, contra o Flu de Feira – foi a arma do técnico Guto Ferreira para a etapa complementar e correspondeu. Além do tento, deu uma assistência.

Nas costas, ostentava o número 21, enquanto Edigar veste a 11, Hernane a 18 e Brumado a 39. O clube reservou a camisa 9 para uma próxima contratação. No entanto, ela só será efetuada após o Brocador sair.

"Tô chegando agora, foi apenas minha segunda partida pelo Bahia. Tenho muito respeito pelos atacantes que fizeram um bom trabalho no clube no ano passado, mas estou aqui pra buscar meu espaço", afirmou Kayke.