Edição do dia
Ter, 30/01/2018 | Atualizado em: 30/01/2018 às 05h01

Água pelo 'cano'? Tô fora!

Camila de jesus*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

No verão, as praias e piscinas são excelentes opções para fugir do calorão. Mas é preciso cuidado especial com os ouvidos, especialmente os dos pequenos, que adoram ficar na água. É que a umidade na região das orelhas favorece o desenvolvimento da otite externa.

Segundo a otorrinolaringologista Loyane Bronzon, da Clínica QualityMed, a trata-se de uma inflamação que ocorre no canal auditivo externo. "A água fica no ouvido e torna o ambiente propício para o desenvolvimento de vírus e bactérias", revela.

A especialista avisa que o principais sintomas são dor no ouvido e inchaço na região. "Após o contato com a água ou manipulação instintiva da orelha, ocorre uma coceira e o entupimento gradual com uma secreção", explica.

Loyane diz que o problema pode atingir qualquer faixa etária, mas o número de crianças vítimas do problema é maior por ficarem mais tempo na água.

Dra. Loyane orienta os pais a observarem mudanças no comportamento dos filhos. "As crianças tendem a ficar agitadas e chorosas, algumas levam a mão no ouvido, devido à dor causada, que pode ser tão forte a ponto do próprio toque causar incômodo", diz.

A médica ainda recomenda que as pessoas evitem coçar os ouvidos com objetos como chaves ou bocais de caneta, pois estes tendem a acumular bactérias que favorecem o aparecimento da otite externa.

A boa notícia é que a doença não é transmissível e tem cura. "O tratamento é realizado através de antibióticos que possuem um bom resultado", afirma. Mas sem o tratamento adequado, é barril dobrado!

"além de dor constante, pode acontecer uma surdez temporária, em função da secreção formada. O ideal é buscar o médico de imediato", indica.

* Sob a supervisão da editora Ellen Alaver