Qui, 25/01/2018 | Atualizado em: 25/01/2018 às 05h00

Medo da febre amarela faz galera temer macacos

Henrique Almeida
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Durante os primeiros 24 dias do ano, foram recolhidos 25 macacos em Salvador. Do total, cerca de 18 foram encontrados mortos. O número de animais recolhidos pela guarda municipal é cerca de cinco vezes maior do que o período do mês de janeiro de 2017, segundo o supervisor do Grupo Especial de Proteção Ambiental (Gepa) da Guarda Municipal, Robson Pires.

No ano passado, foram recolhidos mais de 150 macacos de espécies diversas na capital baiana. O mico de tufo branco é a espécie primata com maior ocorrência de recolhimento pela guarda municipal.

Segundo Robson Pires, a instituição tem intensificado a ação de recolhimento desde o inicio do ano passado, quando um mico de tufo branco foi encontrado morto no bairro de Brotas, em decorrência de febre amarela.

"O número de recolhimento sofreu variações ao longo do ano. O momento de alta foi nos meses de abril e maio. Quando em um mês, chegamos a capturar 85 macacos", destaca.

Em 2017, os bairros com os maiores números de ocorrência foram Itaigara, Caminho das Árvores e Brotas.

Sob a supervisãoda editora Meire Oliveira