Esporte

Seg, 08/01/2018 | Atualizado em: 08/01/2018 às 05h01


Esporte

Ironman moldado pela vida

A+ A-

Foi aos 9 anos, que em meio a brincadeiras de criança, Fábio de Queiroz Rigueira acabou caindo. Ao receber atendimento médico, foi diagnosticado com um tumor ósseo no fêmur. O pequeno acidente foi decisivo na descoberta precoce da doença escondida que, não fosse pelo ocorrido, poderia ter tirado sorrateiramente a vida dele.

Há mais de 30 anos, o recurso encontrado pelos médicos para vencer a doença foi a amputação da perna esquerda, o que levou a criança ativa e esportista a se adaptar às práticas de ciclismo, natação e surf. "Depois da amputação, eu comecei a ver meus tios serem campeões de ciclismo, triathlon e natação. Não tive dúvidas em seguir o mesmo caminho", lembra Fábio, hoje com 44 anos.

Ele recorda os momentos em que aprendia a andar de bicicleta. "A questão de ser criança ajudou muito, a vontade superava as dificuldades. Tive dificuldades em obter o equilíbrio na bicicleta, eu usava o muro da casa da minha tia como apoio", diz.

Três anos depois da amputação, mais um susto. Foi descoberto um câncer no pulmão direito, já em fase de metástase, o que levou a retirada do órgão. Em meio as adversidades que se apresentaram logo cedo na vida do, hoje, paratleta, a superação passou a fazer parte da personalidade. "Em 1999, eu comecei a entrar no cenário de competições. Fiz a travessia Mar Grande – Salvador, depois fiz algumas competições de surf. Fiquei na natação participando do Campeonato Baiano de Piscina e diversos outros torneios", explicou Rigueira, que é técnico em processamento de dados e artes gráfica.

Rigueira sonha competir no Ironman, competição internacional na modalidade de triathlon de longas distâncias [ 3,8 km de natação, 180 km de ciclismo e 42,195 km decorrida]. Para isso, ele dedica, no mínimo, quatro horas e meia aos treinos diários. "Eu fico dividido entre corrida, natação, ciclismo e academia", conta.

A competição deve acontecer em maio deste ano, em Florianópolis, onde 40 atletas se classificarão para o 'Ironman World Championship 2018', que acontecerá em Kona, Havaí. Porém, os gastos são muitos. "Preciso de uma bike apropriada para a competição, que custa entre R$ 15 e R$ 25 mil. A inscrição custa R$ 2.800, à vista. Além de passagem aérea e hospedagem em Santa Catarina. Essa grana eu tenho que resolver logo, pois corro o risco de ficar fora", anseia.

* Sob supervisão do editor Rafael Tiago Nunes