Edição do dia
Ter, 12/12/2017 | Atualizado em: 12/12/2017 às 12h23

Quem é você no trampo?

amanda souza*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Se a primeira impressão é a que fica, tem muita gente por aí carregando rótulos conquistados logo no primeiro contato com alguém. No trabalho, por exemplo, a imagem formada na primeira semana de atividades pode influenciar muito as relações que irão surgir dali pra frente.

O ambiente profissional reúne pessoas de personalidades bem diferentes, o que facilita o desenvolvimento de julgamentos nem sempre positivos até “que se prove o contrário”. Assim, a sua aparência, suas atitudes e até a turma do horário de almoço servirão como base para ‘criar uma fama e deitar na cama’!

Ou seja, é o comportamento do funcionário que vai determinar sua imagem diante dos colegas. O problema é que, normalmente, as más impressões são bem mais marcantes, ainda que não sejam verdadeiras. Fofoqueiro, arrogante, metido etc. são os rótulos mais encontrados nas relações entre colegas.

Essa prática, de acordo com Carla Moreira, psicóloga especializada em gestão de pessoas, pode atrapalhar a rotina produtiva do funcionário, já que alguns rótulos podem constranger o funcionário e, em consequência, impedir que ele realize suas atividades com tranquilidade. O problema vai além. “O resultado disso é o declínio da produtividade do grupo, já que uma equipe coesa demonstra maiores índices de produção”, alerta.

* Sob a supervisão da editora Ellen Alaver