Edição do dia
Qui, 07/12/2017 | Atualizado em: 07/12/2017 às 05h00

No futebol Bellintani projeta um Bahia forte

Lucas Cunha
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

O quarto entrevistado da série de entrevistas com os cinco candidatos à presidência do Bahia é o empresário Guilherme Bellintani, 40 anos, postulante ao cargo pela chapa 'Bahia 3.1'.

Bellintani tornou-se mais conhecido do público, especialmente em Salvador, após passar por três secretarias na gestão do atual prefeito da capital baiana, ACM Neto. Diz que a inquietude é uma marca que o faz aceitar diferentes desafios.

Mas tudo aconteceu por conta da desistência do presidente do Bahia, Marcelo Sant'Ana de concorrer à reeleição. O grupo da situação do Esquadrão decidiu então indicar o nome de Bellintani para a eleição. O que surpreendeu parte dos colegas do ex-secretário.

"Se eu não aceitasse esse desafio de concorrer à presidência do Bahia, talvez passasse a minha vida inteira pensando como seria se eu tivesse aceitado. Gosto de enfrentar desafios".

Bellintani não encara como problema não ser uma pessoa essencialmente do futebol e, ainda assim, concorrer ao cargo de presidente.

"O perfil necessário para o gestor de um clube como o Bahia é um perfil híbrido. Que entenda muito a lógica empresarial orçamentária, de profissionalização da gestão, potencialização e controle da receita. Alguém com a cabeça de empresário, mas sensível e conhecedor da história do clube e, sobretudo, da relação com o futebol. Eu sou torcedor e frequento a arquibancada desde os 6 anos".

Caso eleito, Bellintani promete deixar como legado de sua gestão ao lado de Vitor Ferraz, vice de sua chapa, a sequência da reestruturação iniciada na gestão do atual presidente Marcelo Sant'Ana.

"Quero deixar a marca de um Bahia forte, que siga com o processo de alavancagem econômica. Nós temos um orçamento muito abaixo dos outros clubes brasileiros. Precisamos alavancar as receitas, fazer com que a gente seja menos dependente de um orçamento tão limitado e tão reduzido. Agora, vamos ampliar as receitas não para guardar, mas para investir no futebol. Assim, vamos conseguir formar um time competitivo".