Edição do dia
Sáb, 02/12/2017 | Atualizado em: 02/12/2017 às 05h00

Galera chia por ficar sem senha para júri

Franco Adailton
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Durou menos de duas horas a distribuição das senhas ao público para assistir ao julgamento da médica Kátia Vargas, na próxima terça-feira. Foram disponibilizados 220 dos 432 assentos no Salão do Júri do Fórum Ruy Barbosa. Porém, faltou para quem quis, o que gerou muita reclamação.

Formada por curiosos, estudantes de direito, advogados e até mesmo jurados não sorteados para o próximo júri, a fila dobrava o quarteirão desde a Rua Tingui até alcançar a Rua da Independência.

Além das vagas destinadas ao público geral, houve reservas de 27 assentos para a defesa de Vargas, 27 para a acusação, além de nove para cada família, entre elas a dos irmãos Emanuel e Emanuelle Gomes Dias, mortos em uma suposta briga de trânsito com a médica, em outubro de 2013.

Por meio de nota, o Tribunal de Justiça informou que, além dos espaços reservados, foram distribuídas senhas para a imprensa e para membros da OAB-BA.