Edição do dia
Sex, 01/12/2017 | Atualizado em: 01/12/2017 às 05h00

Combina MPB: costura de ritmos Festival revela o poder das misturas na música brasileira

TARSILA CARVALHO*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

redacao2jornalmassa.com.br

Das baladas do pop rock moderno de Tiago Iorc aos toques da guitarrada paraense de Felipe Cordeiro. No meio do caminho, os arranjos do samba jovial de Pretinho da Serrinha, o pop enamorado do reggaeton cantado por Anitta, o pagode baiano embebido de eletrônica de ÀTTØØXXÁ e a poesia magistral de Gilberto Gil. No século 21, a produção musical reflete a diversidade e é ela, bem representada pelos artistas brasileiros, é o ponto de partida da primeira edição do festival Combina MPB. Em dois palcos (Melodia e Harmonia), mais de 30 artistas se apresentam em encontros inéditos.

Flora Gil, idealizadora do projeto, conta que a intenção é transformar o Festival num evento anual. "Promover os encontros entre artistas é uma forma de revelar o poder das misturas", diz.

Atração do último dia do evento, Gilberto Gil convidou Anitta para subir com ele no Palco Harmonia, a partir das 22h15. "Cantarei minhas canções, ela participará de alguns números comigo e depois cantará seus sucessos. Será um show bem animado", garante o músico.

O artista também assinala como a ideia de combinação tem forte relação com a contemporaneidade. "Combinar é moderno. Um festival como esse é uma tradução desse conceito de diversidade, uma adesão a essa política", defende Gil.

* Sob a supervisão editora márcia moreira