Edição do dia
Qua, 08/11/2017 | Atualizado em: 08/11/2017 às 05h01

Covardia Militar da Federação por trás de morte

ANDREZZA MOURA
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

O homem suspeito de matar o jogador de basquete Edinei Moreira Bahia, 30 anos, no domingo (5), no Rio Vermelho, é um policial militar lotado na 41ª CIPM (Federação), segundo afirmou um policial civil, sob anonimato.

A reportagem tentou confirmar essa informação com as polícias Civil e Militar e com a Secretaria de Segurança Pública, mas não obteve êxito. Até ontem à noite, nenhum suspeito havia sido preso.

Edinei foi executado com um tiro no peito, na madrugada do domingo, após se desentender com o suposto policial, por causa de um balde de cervejas.

O desentendimento teria ocorrido em uma boate, próximo ao Largo de Santana. Mas o crime foi praticado do lado de fora, logo após Edinei e os amigos saírem do espaço.

"O cara chegou e disse 'você vai ser o primeiro' e deu um tiro à queima-roupa, o tiro pegou no coração dele. Depois efetuou outros disparos", contou o motorista Daniel Abraão, 37, amigo de Edinei. Edinei morreu no Hospital Geral do Estado (HGE).

Na mesma ação, o ambulante Rui Moreira Bispo, 62, e José Raimundo de Jesus, 29, também foram baleados e levados ao HGE. Rui, ferido em um das pernas, recebeu alta no mesmo dia. Já o estado de saúde de José, atingido nas costas e nos pés, não foi informado.