Edição do dia
Qua, 01/11/2017 | Atualizado em: 01/11/2017 às 11h45

Gilmar Mendes alivia pra Cabral

Das Agências
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

redacao@jornalmasa.com.br

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), atendeu ontem a um pedido do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB) para mantê-lo na unidade prisional de Benfica.

Dessa forma, Gilmar suspendeu a transferência de Cabral para o presídio federal de Campo Grande (MS), conforme determinado pelo juiz federal Marcelo Bretas, da 7.ª Vara Federal do Rio, após pedido do Ministério Público Federal (MPF).

Para o ministro, não há nada "relevante" no fato de Cabral ter citado em depoimento que familiares de Bretas vendem bijuterias. O MPF havia pedido a transferência de Cabral para uma penitenciária federal depois que o ex-governador citou em depoimento que Bretas tem familiares que vendem bijuterias.

A afirmação ocorreu quando Cabral justificava as compras de joias feitas por ele e pela mulher, Adriana Ancelmo, supostamente com dinheiro oriundo de corrupção.

Gilmar Mendes destacou em sua decisão que a menção à atividade profissional da família do juiz "não só é exercida publicamente como foi publicizada pelos próprios membros da família Bretas". A defesa de Cabral trouxe aos autos do processo reportagem publicada no jornal "O Estado de S. Paulo", com informações sobre os negócios do pai de Bretas.