Edição do dia
Ter, 17/10/2017 | Atualizado em: 17/10/2017 às 09h57

E agora? Baculejo na casa de Lúcio

das agências
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

A pedido da procuradora-geral Raquel Dodge, o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, autorizou buscas no gabinete do deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) na Câmara e na casa dele, em Salvador, em um prédio vizinho ao do irmão Geddel Vieira Lima, preso na Papuda, em Brasília.

A Polícia Federal fez buscas em quatro endereços ligados a Lúcio e ao secretário parlamentar dele, Job Ribeiro Brandão. Foram apreendidos documentos e mídias.

A Procuradoria-geral da República (PGR) aponta "indícios" do envolvimento do deputado Lúcio Vieira Lima "no recolhimento e guarda" da fortuna de R$ 51 milhões em dinheiro vivo encontrada em um apartamento na Graça, no dia 5/9.

Segundo o empresário Silvio Antonio Cabral da Silveira, foi Lúcio quem pediu emprestado o apartamento para estocar a fortuna (leia mais ao lado). A reportagem tentou contato com a defesa de Lucio Vieira Lima, mas não teve sucesso.