Edição do dia
Sex, 13/10/2017 | Atualizado em: 13/10/2017 às 05h01

Facadas Obsessão acaba em assassinato

ANDREZZA MOURA
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Momentos antes de esfaquear e matar a autônoma Jacineide Alves Lima, 42 anos, a Jaci, o vendedor ambulante Nelson Messias dos Santos, 48, falou com ela ao celular e pediu seu auxílio para reconquistar a ex-companheira, a irmã dela e também autônoma Elenice Alves Lima, a Leni, de quem estava separado há um mês.

"Ele ligou para o celular de Gilson [amigo] e pediu para falar com Jaci. Ele já estava dentro da estação, quando ligou. Ele queria a ajuda dela, mas ela disse: 'Ô, Nelson, Leni não que voltar mais! Segue sua vida e deixe minha irmã em paz", contou Evanice Lima da Fraga, 45, irmã da vítima.

O crime ocorreu dentro da estação Mussurunga, por volta das 10h da manhã de ontem. Jaci e Leni trabalhavam como vendedoras ambulantes no terminal de ônibus.

Na mesma ação, Nelson esfaqueou o autônomo Euclides de Oliveira, 47, o Toninho, no rosto e na nuca, e José Geraldo Nunes Leite, 52, em um dos antebraços. Ele estava armado com duas facas tipo peixeira, segundo testemunhas.

Após a ação, ele se esfaqueou no pescoço e morreu no Hospital Geral do Estado (HGE), para onde Jaci, Tonhinho e José foram levados.

Até ontem à noite, Toninho seguia internado na unidade de saúde em estado estável, conforme revelou uma filha dele. Já José Geraldo seguia no setor de sutura e não corria risco de morte.

De acordo com uma funcionária da CCR Metrô Bahia, José trabalha na estação como regulador [organiza filas de passageiros] e, ontem, folgava. A reportagem não conseguiu contato com familiares dele, nem confirmar com a CCR.