Edição do dia
Qua, 11/10/2017 | Atualizado em: 11/10/2017 às 05h00

Fofão fez do crime show dos milhões

Euzeni Daltro e Andrezza Moura
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Vinício Bacellar Costa, o Fofão, movimentou R$ 3 milhões, em menos de três anos, com lavagem de dinheiro oriundo de roubo a bancos e tráfico de drogas em Camaçari e Simões Filho, na Grande Salvador. Ele é apontado pelas polícias Civil e Militar como um dos líderes, na Bahia, da facção criminosa Bonde do Maluco (BDM).

Além de tráfico de drogas, associação para o tráfico, lavagem de dinheiro, homicídio e falsidade ideológica, ele é investigado por roubo a, pelo menos, seis instituições financeiras, a exemplo de um banco em Jacobina.

Segundo a polícia, o dinheiro oriundo dos roubos e da venda de entorpecentes em 'bocas de fumo' em Jauá e Vila de Abrantes, em Camaçari, e nas localidade de Barro Duro e Iraque, em Simões Filho, era lavado com a compra de imóveis e carros de luxo em nome de parentes e outros 'laranjas'.

Dos R$ 3 milhões, R$ 1,4 milhão foi movimentado em contas bancárias de terceiros e o restante em compras de bens que foram bloqueados e apreendidos pela polícia, de acordo com a delegada Andrea Ribeiro, do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco). As movimentações foram feitas entre 2014 e 2017.

"Fofão era a principal liderança, quem articulava o tráfico de drogas e as ações de lavagem de capitais. Não havia bens em nome dele, mas em nome de familiares e terceiros para dar licitude aos bens", afirmou a delegada.