Edição do dia
Sáb, 07/10/2017 | Atualizado em: 07/10/2017 às 05h00

Travessia Barco pega fogo e duas empresas estão na mira!

Yuri Silva
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

No dia em que mais um incidente envolveu uma embarcação da CL Empreendimentos que fazia a travessia Salvador-Mar Grande, o Ministério Público da Bahia (MP-BA) divulgou que pediu à Justiça a suspensão temporária dos serviços, por meio de liminar, para realização de perícias.

O órgão também solicitou ao Poder Judiciário, na ação civil pública movida na última quarta-feira, a cassação em caráter definitivo, quando o mérito do processo for julgado, dos contratos de concessão assinados pela CL Empreendimentos e pela Vera Cruz Transportes Marítimos com a Agerba.

Além disso, o MP requereu que a Justiça obrigue as empresas e a Agerba, responsável pela fiscalização da prestação do serviço, a indenizar as famílias afetadas na tragédia envolvendo a lancha Cavalo Marinho I, em 24 de agosto. Na ocasião, quando a embarcação tombou na Baía de Todos-os-Santos com cerca de 130 pessoas a bordo, 19 pessoas morreram.

Autora do processo, que contém 2.350 laudas, a promotora de Justiça Joseane Suzart, titular da 5ª Promotoria de Justiça do Consumidor, explica que foram verificados cinco "infrações gravíssimas" que deram embasamento aos pedidos.

São eles: ausência de controle de passageiros nas embarcações, coletes salva-vidas em estado irregular e quantidade insuficiente, falta de informação sobre o uso dos equipamentos para os passageiros, assistência insatisfatória às vítimas da Cavalo Marinho I e falta de higiene nas embarcações.