Edição do dia
Sáb, 07/10/2017 | Atualizado em: 07/10/2017 às 05h00

Isso não é gozado!

Cleane Lima*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Já ouviu falar em alergia ao esperma? Pode parecer estranho, mas existem mulheres que são hipersensíveis ao sêmen. De acordo com a alergologista do Fleury Medicina e Saúde, Bárbara Silva, a alergia ao plasma seminal é provocada por proteínas que são encontradas no sêmen.

"Foram identificadas proteínas alergênicas no sêmen e uma delas parecida com a PSA (antígeno específico da próstata), cuja função é tornar o esperma líquido após a formação do coágulo no esperma ejaculado. PSA é uma glicoproteína que seria a causa da alergia", explica.

Os sintomas da alergia tanto podem ser localizadas na região da vagina quanto em outras regiões do corpo. As principais são coceira e inchaço localizadas na região íntima, dores nas regiões da vulva e da vagina, queimação e edema.

Também podem acontecer inchaços na face, língua, lábios e garganta. "Sintomas gastrintestinais e respiratórios, como dispneia (falta de ar) e sibilos (ruídos), têm sido reportados durante a reação sistêmica", afirma a alergista.

Segundo Bárbara, o tratamento inicial é o uso de preservativo em todas as relações sexuais, pois é uma maneira de evitar o contato com o sêmen e provocar a alergia. Mas antes é importante verificar se a alergia é de fato ao esperma. "Alergia ao látex e as doenças vulvovaginais também podem causar sintomas locais semelhantes", alerta.

* Sob a supervisão da editora-coordenadora Ana Paula Ramos.