Edição do dia
Ter, 03/10/2017 | Atualizado em: 03/10/2017 às 05h00

Lúpus Ambulatório vai fechar as portas

Anderson Sotero
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

O serviço de reumatologia do Ambulatório Docente-Assistencial da Escola Bahiana de Medicina (Adab), que acompanha gratuitamente cerca de 900 pacientes, está com os dias contados. O atendimento, focado em lúpus e outras doenças reumatológicas de alta complexidade, será encerrado em janeiro de 2018.

Coordenador do serviço, o reumatologista Mittermayer Santiago conta que a redução de leitos de internamento que o ambulatório tinha no hospital Santa Izabel é um dos motivos de o levarem à decisão de fechar a unidade.

O ambulatório, criado há 25 anos, funcionava no Santa Izabel, com atendimento pelo SUS. Há mais de cinco anos foi transferido para a Bahiana, diante do crescimento da demanda.

No final de 2016 houve uma redução de leitos no Santa Izabel e Mittermayer decidiu extinguir a residência médica que ocorria na unidade médica. "Passei a disputar 18 leitos com outras especialidades clínicas. O doente ficava muito tempo esperando para internar", ressalta.

Desde então, o reumatologista passou a comunicar aos pacientes e às famílias que o atendimento no Adab não seria mais oferecido.

A extinção da unidade também foi motivada pela desistência de médicos de participar da iniciativa. Segundo Mittermayer, houve um período em que havia cinco reumatologistas trabalhando no Adab.

Com exceção do reumatologista, que já é professor da Bahiana, os demais médicos recebiam R$ 1.500 por mês para dividir entre eles. O dinheiro é oriundo de um contrato que o Adab tem com a prefeitura de Salvador. No momento, apenas ele e outra médica trabalham no serviço.