Edição do dia
Qui, 21/09/2017 | Atualizado em: 21/09/2017 às 05h00

Miou! Reforma Política sem o distritão

Alexandre Santos
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Um dia após a Câmara dos Deputados sepultar os sistemas de voto distritão e distrital misto, principais pilares da proposta de Reforma Política, parlamentares baianos comentaram o resultado da votação.

Para o deputado estadual Zé Neto (PT), líder do governo na Assembleia Legislativa, a rejeição da matéria foi a opção menos pior para a democracia. "O que temos aí é um Congresso que só quer se reeleger, e não estabelece o que é melhor para o País", avalia.

Na opinião do deputado governista Leur Lomanto Jr. (PMDB), é preciso respeitar a decisão do Congresso. Favorável ao 'distritão', ele defende que o modelo é o mais justo, já que acabaria com o chamado 'efeito Tiririca' - no qual os votos de um candidato ajudam a eleger outros do mesmo grupo ou coligação.

A PEC que pretendia alterar o atual modelo, o 'proporcional', obteve 205 votos favoráveis e 238 contrários. Para isso ocorrer, precisaria do apoio de, no mínimo, 308 dos 513 parlamentares.