Edição do dia
Seg, 18/09/2017 | Atualizado em: 18/09/2017 às 05h00

Ocupar para melhorar o Parque de Pituaçu

Jones Araújo*
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Quem visitou o Parque Metropolitano de Pituaçu ontem pode conferir o primeiro Festival Alternativo do Parque de Pituaçu.

A primeira edição do evento contou com diversas atividades culturais e esportivas, distribuídas em vários locais do parque. "Nossa proposta é ocupar o parque com atividades gratuitas com o intuito de estimular os órgãos públicos a realizarem melhorias no local", disse a produtora do festival Bela Rodrigues.

No quiosque central foi montada uma exposição de aquarelas e pinturas a óleo temáticas sobre o sertão baiano e religiões de matriz africana. A trilha sonora ficou por conta do grupo musical Tambores da Tribo, que entoou canções de saudação aos orixás.

"Queríamos levar nossa arte para a população. Temos que ocupar os espaços da cidade, sair das galerias", opinou o artista plástico Adilson Nino, 44 anos, morador de Pituaçu.

Às margens da Lagoa de Pituaçu os visitantes assistiram os praticantes de slackline realizando manobras radicais sobre a fita. "Atividades como essas incentivam as famílias a sair de casa e visitar o parque, que é nosso", afirmou a secretária Ana Rita Menezes, 37, moradora de Mussurunga.

* Sob a supervisão da editora-coordenadora Ana Paula Ramos.