Edição do dia
Seg, 04/09/2017 | Atualizado em: 04/09/2017 às 05h00

Chuva não tira cor da Parada Gay do Subúrbio

Yuri Silva
compartilhe
Enviar para Amigo
INDIQUE A UM AMIGO

Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com “ , ” (vírgula). Ex.:nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Imprimir
Reportar erro

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo MASSA preencha os dados abaixo e clique em "Enviar"

Aumentar fonte Diminuir fonte

Muita cor, fechação e diversidade marcaram, ontem, a quinta edição da Parada LGBT do Subúrbio Ferroviário de Salvador. Organizado pelo casal Rosy Silva e Alexsandra Leitte, o evento teve início por volta das 16h na Praça João Martins, no bairro de Paripe, e se estendeu pela noite, em direção à praça da Revolução, em Periperi.

Reivindicando respeito e garantia de direitos para lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros, o grande grupo que seguia o trio elétrico resistiu à chuva forte que ia e voltava durante a caminhada.

"Nosso objetivo aqui é lutar por mais políticas públicas, gritar pelo direito à cidadania, por socorro, pois a cada dia morrem mais LGBTs na Bahia, e denunciar o preconceito sofrido por essas pessoas, sobretudo quando são negros e mulheres", afirmou Rosy Silva, que teve a ideia de organizar o evento quando era dona de um bar LGBT em Periperi. "Eu vi que ficar fechada num local me limitava. Então, resolvi vir pra rua", contou a ativista.